Aula de conversação em inglês é peça-chave contra a timidez

  • terça-feira, janeiro 29, 2019
  • By Nicole Regiane
  • 0 Comments


Aula de conversação em inglês é peça-chave contra a timidez

Quem aqui está aprendendo inglês? Vocês já devem ter passado (ou irão passar) pela timidez. Porem mesmo com a timidez aprender uma nova língua é muito importante.

No Brasil, cerca de 73% dos profissionais não têm fluência em inglês. E nos últimos anos, muitos aplicativos e plataformas on-line surgiram como parceiros no aprendizado de um novo idioma. Embora esses recursos ajudem a aperfeiçoar as habilidades de leitura e escrita, para atingir uma competência comunicativa boa, é necessário trabalhar a oralidade e colocar em prática as estruturas e vocabulários aprendidos. Com isso em mente, a supervisora de ensino do CCAA, Denise Portella, dá dicas para desenrolar e treinar a comunicação oral com maior frequência e segurança.

Como a função da língua é possibilitar a comunicação, a melhor maneira de desenvolver isso é praticar. Ajuda bastante praticar conversando sobre situações reais do dia a dia. 
Mais do que crescimento pessoal, aprender inglês é um pré-requisito valioso para o mercado de trabalho. Segundo a Pesquisa dos Profissionais Brasileiros, da Catho (2014), apenas 3,9% dos trabalhadores têm fluência em inglês, enquanto 8,3% falam e escrevem bem e 14,7% falam e escrevem com certa dificuldade. O restante, que corresponde a 73,1% dos entrevistados, tem conhecimento básico para “sobrevivência” ou nenhum. O levantamento considerou as respostas de cerca de 26,5 mil pessoas.

Aula de conversação em inglês é peça-chave contra a timidez

Daí a importância de os jovens se preocuparem em aprender inglês e estarem prontos para o mercado e para a vida. A prática constante é a peça-chave. Pois “além de oferecer ao aluno a oportunidade de utilizar a língua em um contexto mais natural, a conversação promove a interação entre os colegas, o que torna as aulas mais interessantes e aumenta a motivação. Isso também permite que os estudantes se sintam mais seguros para se comunicarem, ultrapassem a barreira da vergonha e destravem, uma vez que estarão em meio a outros do mesmo nível e desempenharão atividades em situações ‘controladas’, ou seja, que têm a ver com o conteúdo trabalhado”, ressalta Denise Portella.

É importante ter em mente, também, que o aprendizado não se encerra nos limites da escola de idiomas. Atividades cotidianas são uma outra maneira de treinar. Assistir filmes em inglês, aguça a compreensão auditiva ao mesmo tempo em que facilita o entendimento da situação, com o auxílio de imagens e gestos. Audiobooks acompanhando enquanto leem ajudam a corrigir a pronuncia. Além disso, é válido praticar com os amigos e pegar as letras de músicas internacionais para cantar junto. Praticar usando outros meios e medias ajuda a se familiarizar com a pronúncia e as variadas entonações dos falantes nativos. Aprendendo novas palavras e expressões para o seu vocabulário.

“Existem várias ferramentas e atividades que auxiliam no aprendizado de um idioma, mas é com a conversação que os alunos desenvolvem as habilidades de forma mais completa e ficam bem preparados para interagir em entrevistas, reuniões de trabalho, em viagens ao exterior ou em qualquer outra situação que demande o uso da língua estrangeira”, finaliza a supervisora.

Presente no mercado há mais de 57 anos, o CCAA tem mais de 210 mil alunos matriculados em cursos de inglês e espanhol ao redor do mundo. A rede conta com cerca de 800 unidades no Brasil e também está presente em outros seis países – Estados Unidos, El Salvador, Inglaterra, México, Japão e Portugal.

Onde você pratica ou aprende inglês? O que tem te ajudado mais?
Nos conte nos comentários e compartilhe com os amigos.
Para acompanhar um pouco mais das minhas aventuras, é só seguir nas redes sociais: 

Me chamo Nicole. Nasci em Brasília, mas moro no Canada. Acredito que cada lugar nos marca de alguma maneira. Criei esse blog para compartilhar as coisas que amo com vocês.

You Might Also Like

0 comentários