Mitos e verdades sobre o High School: é que nem a gente vê nos filmes?

  • terça-feira, abril 24, 2018
  • By Nicole Regiane
  • 0 Comments

Mitos e verdades sobre o High School | Blog Why Not?


O cinema norte-americano é repleto de filmes que mostram o dia a dia dos adolescentes na escola. O “High School”, o equivalente ao nosso Ensino Médio, parece ser um universo curioso, cheio de descobertas e atividades para adolescentes e, de fato, é assim.

Praticamente tudo aquilo que você nos filmes é, de fato, real: os armários nos corredores, as oportunidades de realizar atividades extraclasse e a completa infraestrutura oferecida pelas escolas são apenas alguns dos destaques – e tudo isso também pode ser desfrutado pelos brasileiros.


Listamos aqui algumas curiosidades para você saber como as coisas funcionam nos Estados Unidos – e o que é verdade e o que é mentira sobre esse período letivo.



1 – Os alunos de lá passam mais tempo na escola?

Verdade. Dificilmente encontramos no Brasil escolas de Ensino Médio que ofereçam estudos em tempo integral. O mais próximo que temos disso sãos os cursinhos pré-vestibular que muitos fazem durante o último ano escolar.

Durante o High School é normal que os alunos passem o dia todo na escola. As aulas começam às 8h e vão até às 16 horas – com um intervalo de uma hora para o almoço. Em média, há seis ou sete disciplinas por dia, um cronograma bem mais puxado que o nosso.



Mitos e verdades sobre o High School | Blog Why Not?

2 – Todo mundo vai de carro para a aula

Mito. Embora lá seja permitido dirigir a partir dos 16 anos e boa parte dos alunos tenham a licença, dependendo da região onde você estuda não é todo mundo que terá condições de ir para a aula de carro.

Isso acontece com maior frequência nas escolas particulares, mas não é uma regra. Podemos dizer que a parcela de alunos que vão para a aula de carro é quase a mesma da dos que não vão. Por isso, não fique intimidado por chegar lá sem uma carteira de motorista. 



3 – Você não terá uma turma fixa

Parcialmente verdade. No Ensino Médio no Brasil, as turmas são fixas e os professores de cada uma das disciplinas é que vão de uma sala para outra no intervalo das aulas. Nos EUA ocorre o contrário: são os alunos que se dirigem até a sala fixa onde o professor leciona a sua disciplina.

Isso ocorre porque o cronograma de disciplinas é mais amplo e mais flexível. 



Mitos e verdades sobre o High School | Blog Why Not?


4 – O aluno escolhe o que quer estudar

Parcialmente verdade. Algumas disciplinas são obrigatórias, como inglês, matemática e história. Porém, cabe aos alunos complementarem a grade, buscando opções que satisfaçam os seus gostos pessoais. 

Para os intercambistas, as obrigatórias são ditadas pelo MEC, seriam: matemática, língua local, ciências, estudos sociais e educação física. 


As chamadas disciplinas optativas incluem educação artística, educação física, música ou teatro. Essas optativas variam de instituição para instituição. Alguns colégios, por exemplo, são conhecidos por terem equipes esportivas fortes e que disputam campeonatos nacionais.


5 – Alunos bagunceiros ficam de castigo na escola 

Verdade. Entre os mais diversos tipos de punição que existem para os alunos mais bagunceiros, uma delas pode ser a de passar um sábado inteiro na escola estudando. Raramente vai acontecer aquilo que vemos em filmes, onde o aluno tem que passar a noite na escola sem poder sair.

De resto, o sistema é bastante similar ao do Brasil, com advertências para os pais assinarem ou suspensões e expulsões em casos de reincidência. É pouco comum que ocorram punições desse tipo com alunos intercambistas, mas não custa nada saber quais são as regras para evitar que isso aconteça.



6 – Não existe nota 10

Verdade. O sistema de notas atribuído aos alunos norte-americanos é um pouco distinto do nosso. Por lá, as notas vão de “A” a “F”, em uma escala que em conversão direta fica mais ou menos assim:

A – De 90 a 100 pontos

B – De 80 a 89 pontos
C – De 70 a 79 pontos
D – De 60 a 69 pontos
F – Abaixo de 59 pontos

Essas notas são válidas a partir do quinto ano – o equivalente aqui à 5ª série do fundamental. A média é “C”, portanto seria como se você tivesse que tirar pelo menos uma nota 70 para passar.


No Canadá as notas são marcadas com letras A, B, C, D, R ou I. As letras correspondem a faixa que cada um está. Veja abaixo:


Nível 4: de A- a A+ - 80-100 

Nível 3: de B- a B+ - 70-79
Nível 2: de C- a C+ - 60 a 69
Nível 1: de D- a D+ - 50 a 59 
R: Qualquer nota abaixo de 50 por cento

I: significa que o professor não conseguiu avaliar. Geralmente quando o aluno é novo na escola ou fica afastado por um período muito grande.

Quando a criança ainda está aprendendo inglês, eles levam isso em consideração e avaliam de forma diferente. Eles marcam ESL/ ELD no boletim. ELS significa English as a Second Language (inglês como segunda lingua).




7 – As turmas são menores

Verdade. No Brasil, os alunos estão acostumados com turmas que podem chegar a até 50 alunos. Na média, entretanto, há sempre entre 30 e 40 alunos em sala de aula. Nos Estados Unidos esse número é reduzido e as turmas não passam de 20 pessoas.

Essa característica faz com que muitos estranhem o ritmo das aulas, já que tudo se torna mais personalizado. Isso permite ainda aulas mais expositivas, com os alunos participando na maior parte do tempo em debates e discussões.




8 – O High School demora mais para os norte-americanos

Verdade. A divisão comum no Brasil é a seguinte: são quatro anos para o Ensino Básico, quatro anos para o Ensino Fundamental e três anos para o Ensino Médio, totalizando 12 anos de estudo. Nos EUA, a fase do High School, dura quatro anos e, portanto, são 12 anos de estudo antes da faculdade.

Agora você pode fazer seu intercâmbio para os Estados Unidos e cursar lá High School sabendo o que é realmente acontece, e o que é só uma invenção de Hollywood. 



Gostaram do post? O que mais te surpreendeu?

Se tiver alguma dúvida sobre viagens confira esses posts:
Para acompanhar um pouco mais das minhas aventuras, é só seguir nas redes sociais: 

Me chamo Nicole. Nasci em Brasília, mas moro no Canada. Acredito que cada lugar nos marca de alguma maneira. Criei esse blog para compartilhar as coisas que amo com vocês.

You Might Also Like

0 comentários